Por que os idosos são mais suscetíveis a infecções?
Por que os idosos são mais suscetíveis a infecções (1)

Com o processo de envelhecimento todas as nossas células e órgãos passam a não responder de forma eficiente aos estímulos. Com o sistema imunológico dos indivíduos idosos não é diferente. Por exemplo, as consequências de uma gripe são mais graves em idosos, com menor probabilidade de recuperação completa e maior risco de transição para doenças crônicas ou complicações agudas graves.

            Estima-se que 90% das mortes associadas à influenza ocorrem em pessoas com 65 anos ou mais e a maioria está relacionada a complicações cardiovasculares e pulmonares. A fraca resposta na criação de anticorpos após vacinas em idosos também aumenta a sua vulnerabilidade. Outro fator que evidencia o declínio do sistema imunológico é o aumento de doenças autoimunes e câncer em idosos.

            A senescência imunológica também contribui para aumentar a vulnerabilidade dos idosos a doenças cardiovasculares, doença de Alzheimer, síndrome metabólica, diabetes tipo 2 e osteoporose. Essas doenças relacionadas à idade compartilham um denominador comum: inflamação sistêmica crônica subclínica – uma característica predominante do envelhecimento que contribui para danos e degeneração dos tecidos. Ou seja, a senescência imunológica está associada a um estado pró-inflamatório crônico, que acelera ainda mais o declínio do sistema imunológico.

            Alguns destes processos estão exemplificados a seguir:

  • Declínio de células não expostas a antígenos

Células formadas na medula óssea, conhecidas como células T0 , são ativadas ao serem expostas a moléculas estranhas ao corpo. Estas células estão diminuídas em número nos idosos. Além disso, quando comparadas às células T0 de pessoas mais jovens, as células T0 de indivíduos mais velhos exibem muitos defeitos funcionais, incluindo capacidade diminuída de se multiplicar e se tornar célula “efetora” madura.

  • Células com memória senescente

As células T de memória são células T especializadas geradas após um encontro inicial com um patógeno, que são nossa memória imunológica.  Após a reexposição ao antígeno, as células T de memória o reconhecem e iniciam uma resposta rápida e vigorosa. No entanto, as células T de memória dos idosos são frequentemente envelhecidas, o que significa que eles perderam a capacidade de proliferar e se tornaram disfuncionais. Embora incapazes de se dividir, as células senescentes permanecem ativas, secretando níveis de moléculas pró-inflamatórias. Há também evidências de que as células T com memória senescente podem suprimir outros tipos de células imunes.

  • Inflamação crônica

A inflamação crônica desencadeada por células T senescentes pode ser um fator que contribui para doenças cardiovasculares e outras doenças crônicas do envelhecimento. A senescência das células T de memória pode resultar em parte da exposição ao longo da vida a infecções virais comuns, como citomegalovírus e vírus Epstein-Barr. Esses vírus permanecem inativos no corpo por décadas, desencadeando uma resposta crônica de baixa intensidade das células de memória e de outras células imunes adaptativas. Além de induzir inflamação crônica, essa ativação a longo prazo e de baixo nível de células T pode eventualmente contribuir para a disfunção e senescência delas.

  • Diminuição da atividade funcional das células NK

 A alta atividade das células “natural killers” (NK) está associada à longevidade e ao envelhecimento saudável, enquanto a redução da função das células NK está ligada ao aumento de doenças e morte por infecções, aterosclerose e diminuição da resposta de anticorpos à vacina. As células NK ativadas secretam moléculas imunorreguladoras, mas as células NK ativadas de idosos geram menos substâncias do que as células NK de pessoas mais jovens. O declínio na função das células NK que acompanha o envelhecimento humano está associado ao aumento da incidência de infecções bacterianas e fúngicas entre os idosos.

            O sistema imune resulta de uma série de interações extremamente coordenadas e intrincadas. Alterações funcionais em algum nível desta interação podem significar defeitos na resposta a agentes que causam doença, doenças autoimunes ou mesmo uma inflamação constante ou exagerada, que lesa tecidos do nosso corpo. Desta forma, garantir o máximo de suporte a este sistema é fundamental para se evitar o adoecimento.

Referências: 

Pera A, Campos C, Lopez N, Hassouneh F, Alonso C, Tarazona R, Solana R. Immunosenescence: Implications for response to infection and vaccination in older people. Maturitas. Sep 2015;82(1):50-55.

Castelo-Branco C, Soveral I. The immune system and aging: a review. Gynecological endocrinology: the official journal of the International Society of Gynecological Endocrinology. Jan 2014;30(1):16-22

Yu HT, Shin EC. T cell immunosenescence, hypertension, and arterial stiffness. Epidemiology and health. 2014;36:e2014005.

Weiskopf D, Weinberger B, Grubeck-Loebenstein B. The aging of the immune system. Transpl Int. Nov 2009;22(11):1041-1050.

Maijo M, Clements SJ, Ivory K, Nicoletti C, Carding SR. Nutrition, diet and immunosenescence. Mechanisms of ageing and development. Mar-Apr 2014;136-137:116-128.

Griffith AV, Venables T, Shi J, et al. Metabolic Damage and Premature Thymus Aging Caused by Stromal Catalase Deficiency. Cell reports. Aug 18 2015;12(7):1071-1079.

Franceschi C, Campisi J. Chronic inflammation (inflammaging) and its potential contribution to age-associated diseases. J Gerontol A Biol Sci Med Sci. Jun 2014;69 Suppl 1:S4-9.

Franceschi C, Olivieri F, Marchegiani F, et al. Genes involved in immune response/inflammation, IGF1/insulin pathway and response to oxidative stress play a major role in the genetics of human longevity: the lesson of centenarians. Mechanisms of ageing and development. Feb 2005;126(2):351-361.

Hazeldine J, Lord JM. The impact of ageing on natural killer cell function and potential consequences for health in older adults. Ageing Res Rev. Sep 2013;12(4):1069-1078.