Um shampoo antiqueda pode realmente ter algum efeito?

Todos os dias estamos expostos a propagandas e propostas realmente tentadoras para combater a queda de cabelo no momento da lavagem.

Muitas vezes é o primeiro passo dado por quem sofre de queda para tentar solucionar o problema.

Mas a pergunta é: será que eles podem realmente trazer algum benefício?

 

Tratando a causa

A queda de cabelo pode ter diversas causas e para determiná-la é necessário exame físico apurado, história clínica detalhada e, muitas vezes, exames laboratoriais, para aí sim estabelecer o melhor tratamento.No entanto, sempre que se refere à perda de cabelo, pode haver realmente um ofensor primário que deve ser levado em consideração: o DHT. DHT, abreviado de Dihidrotestosterona, é o produto resultante da relação entre a enzima 5-alfa-redutase, localizada no couro cabeludo, com o hormônio testosterona.

O DHT pode se ligar a áreas receptoras no couro cabeludo e desencadear o afinamento dos fios e sensação de queda.

Este processo é o mais aceito atualmente para explicar um tipo específico de queda conhecida como alopecia androgenética.

 

Shampoo antiqueda X Shampoo normal

Neste sentido, a única diferença principal entre um shampoo antiqueda e um padrão é que o antiqueda deve conter ingredientes ativos específicos para reduzir os efeitos do DHT.

Dessa forma, surgiram inúmeras formulações contendo principalmente extratos botânicos que clamam pelo potencial de reduzir o DHT.

Atualmente temos apenas uma substância que atua como antifúngico e agente anti-androgênico com efeitos comprovados: o cetoconazol.

Por isso, para tipos específicos de alopecia, deve-se lançar mão, sim, de shampoos que contenham na sua composição o cetoconazol.

Outros shampoos contendo substâncias nutritivas e sais minerais sugerem a reposição de componentes estruturais perdidos nos cabelos com queda.

No entanto, apesar das mais diversas propostas, nenhum shampoo antiqueda tem seus benefícios comprovados cientificamente.

Os ativos estruturais ou nutritivos presentes no shampoo antiqueda não são absorvidos pela fibra capilar.

Dessa forma, a quebra secundária aos danos provocados à haste do fio não é prevenida pelo shampoo antiqueda.

Há ainda produtos que contêm em suas formulações ativos patenteados que, por esse motivo, carecem de pesquisas com maior credibilidade.

Outro ponto a ser ponderado é o contato relativamente curto do shampoo com o couro cabeludo na lavagem, o que poderia diminuir sua eficácia.

Assim, diante  da ampla gama de produtos e as diversas propostas, o ideal é escolher um shampoo com algum poder condicionante que não contenha surfactantes agressivos à haste e ao couro cabeludo, e para tipos específicos de queda o shampoo contendo cetoconazol pode ser um adjunto ao tratamento.

 

Entre em contato conosco e saiba mais.

Dr. Felipe Cezar Dias CRM-PR 34055

Membro da Sociedade Brasileira do Cabelo e da International Dermoscopy Society.[/et_pb_text][et_pb_button button_url=”http://mmiclinic.com.br/artigos/” button_text=”Ver outras postagens” _builder_version=”3.21″ custom_button=”on” button_text_size=”18px” button_text_color=”#000000″ button_border_width=”2px” button_border_radius=”13px” button_font=”||||||||” global_module=”2225″][/et_pb_button][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]