O exercício aeróbico é uma chave para o sucesso no envelhecimento?
O exercício aeróbico é uma chave para o sucesso no envelhecimento

Atividades aeróbicas como corrida e treinamento intervalado podem tornar nossas células biologicamente mais jovens, de acordo com um novo experimento. O treinamento com pesos pode não ter o mesmo efeito, descobriu o estudo, levantando questões interessantes sobre como vários tipos de exercício nos afetam em um nível microscópico e se as diferenças devem talvez influenciar a forma como escolhemos nos mover.

Há evidências crescentes e empolgantes de que ser fisicamente ativo afeta a forma como envelhecemos, com pessoas mais velhas mais saudáveis, mais em forma e menos propensas a desenvolver uma variedade de doenças e deficiências do que seus pares sedentários. Mas não ficou totalmente claro, em um nível molecular, como o exercício pode nos manter jovens.

Estudos anteriores mostraram que o exercício altera o funcionamento de muitos genes, bem como o sistema imunológico, mecanismos de reparo muscular e muitos outros sistemas dentro do corpo.

Alguns pesquisadores especularam que os efeitos antienvelhecimento mais significativos do exercício podem ocorrer nas pontas de nossos cromossomos, que são cobertos com pequenos pedaços de matéria conhecidos como telômeros. Os telômeros parecem proteger nosso DNA de danos durante a divisão celular, mas, infelizmente, encurtam e se desgastam à medida que a célula envelhece. Em algum momento, eles não protegem mais nosso DNA e a célula se torna frágil e inativa ou morre.

Muitos cientistas acreditam que o comprimento dos telômeros é uma medida útil da idade funcional das células. Mas os pesquisadores também descobriram que os telômeros são mutáveis. Eles podem ser alongados ou encurtados pelo estilo de vida, incluindo o exercício.

Um estudo de 2009, por exemplo, descobriu que corredores de meia idade tendem a ter telômeros muito mais longos do que pessoas inativas da mesma idade. Seus telômeros eram, na verdade, quase tão longos quanto os de jovens saudáveis. Mas esse estudo foi associativo, mostrava apenas que as pessoas que corriam também tinham telômeros estendidos, não que o exercício necessariamente causava essa condição desejável.

Assim, para o novo estudo publicado no European Heart Journal, muitos dos mesmos cientistas envolvidos no estudo de 2009 decidiram testar diretamente se o exercício mudaria os telômeros. Eles também esperavam saber se o tipo e a intensidade do exercício importavam.

Os pesquisadores começaram recrutando 124 homens e mulheres de meia idade saudáveis, mas que não se exercitavam. Eles determinaram a aptidão aeróbica de todos e extraíram sangue para medir o comprimento dos telômeros em seus glóbulos brancos (que geralmente são usados em estudos de telômeros, porque são  facilmente acessíveis). Eles também verificaram os marcadores sanguíneos da quantidade e atividade da telomerase de cada pessoa, uma enzima que é conhecida por influenciar o comprimento dos telômeros.

Em seguida, alguns dos voluntários foram aleatoriamente designados para continuar com suas vidas normais como controle ou para começar a se exercitar.

Outros iniciaram um programa supervisionado de caminhada ou corrida rápida durante 45 minutos, três vezes por semana, ou um programa intervalado de alta intensidade três vezes por semana, consistindo em quatro minutos de exercício extenuante seguido de quatro minutos de descanso, com a sequência repetida quatro vezes.

O grupo final fez o treinamento com pesos, completando um circuito de exercícios de resistência três vezes por semana.

Os pesquisadores monitoraram os batimentos cardíacos das pessoas durante os treinos e os praticantes continuaram seus programas por seis meses. Depois todos voltaram ao laboratório onde os cientistas novamente testaram a forma física e tiraram sangue.

Houve diferenças consideráveis entre os grupos em um nível molecular. Aqueles homens e mulheres que tinham corrido ou completado intervalos tinham muito mais telômeros em seus glóbulos brancos do que no começo, e mais atividade telomerase. Os treinadores de peso não. Seus telômeros assemelharam-se aos das pessoas do grupo de controle, tendo permanecido aproximadamente iguais ou, em alguns casos, encurtados durante os seis meses.

Esses resultados parecem indicar que o exercício precisa ser taxativamente aeróbico para estender os telômeros e retardar o envelhecimento em nível celular, diz o Dr. Christian Werner, cardiologista e pesquisador da Universidade de Saarland, na Alemanha, que liderou o novo estudo. “Nos parâmetros que analisamos, o exercício aeróbico estava claramente à frente do treinamento de resistência”, diz ele.

As razões podem estar nas diferenças de intensidade, acrescenta ele. “Mesmo que o exercício de resistência tenha sido extenuante”, ele diz, “a taxa média de pulso foi muito menor do que com a corrida”, resultando em fluxo sanguíneo mais leve e provavelmente menos resposta fisiológica dos próprios vasos sanguíneos. Aqueles que fizeram o treinamento de resistência teriam produzido menos óxido nítrico, que supostamente afeta a atividade da telomerase e contribui para o alongamento dos telômeros.

Mas as descobertas não indicam que o treinamento com pesos não combate o envelhecimento, diz ele. Como os outros exercícios, a aptidão das pessoas melhorou, o que é um dos mais importantes indicadores de longevidade, segundo ele.

Acima de tudo, ele afirma que os resultados ressaltam que tipos diferentes de exercícios quase certamente levam a impactos potencialmente sinérgicos em nossas células e sistemas corporais. Em estudos futuros, ele e seus colegas gostariam de estudar os efeitos celulares de várias combinações de resistência e treinamento de força.

Mas, por enquanto, a mensagem do novo estudo, diz ele, é que o exercício de qualquer tipo pode mudar a natureza do envelhecimento, mesmo para pessoas que já são de meia idade. “Não é tarde demais para manter suas células jovens”, diz ele.

Fonte: New York Times

Entre em contato conosco e saiba mais.

Dr. Alexandre Kaue Sakuma CRM-PR 34966