Por quanto tempo posso usar medicações para emagrecer? Há efeito rebote?
Por quanto tempo posso usar medicações para emagrecer? Há efeito rebote?

Uma dúvida frequente para quem procura um médico a fim de emagrecer é a respeito da segurança, efeitos colaterais e qual o limite  de tempo para se usar as medicações que tem como objetivo limitar o apetite, além de, é claro, saber se há algum tipo de efeito rebote, aumento da fome e reganho de peso após a parada dos medicamentos. Por isso, selecionei alguns dos medicamentos mais usados e comento a seguir a respeito disto. 

Sibutramina

Medicação amplamente estudada com vários anos no mercado e, portanto robustos estudos sobre seus efeitos. O modo de ação da sibutramina é mediado a nível cerebral por uma inibição da recaptação da serotonina e da epinefrina, que aumenta a saciedade e diminui a ingestão calórica.

Em relação a sua efetividade e segurança, de modo geral, os estudos mostram segurança para seu uso contínuo por até 2 anos, e os adultos que continuam a terapia com sibutramina por este tempo podem manter a perda de peso melhor do que os adultos que tomam placebo ou que fazem apenas mudanças de hábitos de vida.

Mas a efetividade da medicação é perdida com o passar do tempo. A sibutramina é eficaz na redução do peso corporal e da ingestão de alimentos quando administrada por curtos períodos de tempo (6-12 meses) e sua eficácia diminui quando administrada cronicamente.

Até 55% da perda de peso pode ser recuperada 18 meses após a interrupção da terapia com sibutramina, segundo pesquisa.

Ademais, pacientes hipertensos devem estar cientes que a maior parte dos estudos demonstram pequeno incremento da pressão arterial e da frequência cardíaca com o uso desta medicação.

Orlistate

O orlistat é um potente inibidor das lipases pancreáticas e gástricas, que quebram a gordura para que ela seja absorvida. Atua localmente no intestino e é minimamente absorvido, uma grande vantagem. 

O orlistat inibe também a absorção de triglicerídeos da dieta em 30%; portanto, eles passam para as fezes, reduzindo assim a ingestão total de calorias.

Além disso, reduz em 25% a absorção intestinal de colesterol.

No quesito segurança, esta medicação possui bom perfil, já que não é absorvida pelo corpo. 

E apesar de existirem poucos estudos que ultrapassam 2 anos de uso contínuo de uma intervenção medicamentosa, este perfil de segurança permitiu que uma pesquisa fosse além com orlistate.

O estudo em questão, selecionou indivíduos obesos e aplicou uma dieta com muito baixa caloria (- 1000kcal dia) e orlistate por 8 semanas. O que gerou uma perda de peso de grande magnitude, em média, 14 kg.

A partir daí, os indivíduos foram acompanhados por mais 3 anos em uma dieta com deficit calórico de – 600cal  e dispostos aleatoriamente em 2 grupos. Um continuou com o orlistate e outro com um placebo.

Os resultados mostram que quem recebeu orlistate por mais 3 anos teve uma perda de peso mais de 2 kg maior do que quem não o tomou. 


Além disso, houve diminuição significativa no risco de desenvolver diabetes no grupo com a medicação.

Este estudo é particularmente interessante já que corrobora para um perfil seguro da droga para uso a longo prazo. Entretanto, devemos lembrar que algumas vitaminas são melhor absorvidas na presença de gorduras, podendo a suplementação ser indicada nestes casos.

 Agonistas GLP-1

Dentre as medicações mais recentes despontam drogas utilizadas para diabetes, que  mostram perdas expressivas e sustentadas de peso, mesmo em indivíduos sem diabetes, sendo algumas já aprovadas inclusive para obesidade.

Dentre elas, existem os agonistas do hormônio GLP-1, medicamentos administrados com uma injeção auto aplicada. 

Estudos revelam melhora na perda de peso por aumentarem a saciedade por mecanismo cerebral já que retardam o esvaziamento gástrico, reduzindo assim a ingestão de alimentos. 

Por se tratarem de medicações mais recentes a segurança para uso a longo prazo permanece incerteza, mas é possível pressumir poucos efeitos graves no período de uso por 1-2 anos.

Os resultados da maior parte dos estudos indicam a capacidade destas medicações aliadas com dieta e exercício, para fornecer perda de peso de forma sutentada em 2 anos, além de melhorias em muitos dos importantes fatores de risco metabólicos e cardiovasculares associados à obesidade, o que é seria a grande vantagem desta classe de drogas.

Efeito rebote e reganho de peso

Algo extremamente comum é o reganho de peso após uma intervenção e a dificuldade em manter o peso. Isto é explicado por uma cascata de eventos que diminuem a taxa metabólica de gasto energético para cada peso perdido e mecanismos contra-regulatórios que aumentam o apetite. 

Muito mais do que um efeito rebote das medicações, provavelmente muitos fatores são responsáveis ​​pela capacidade de alguns pacientes de atingir e manter grandes perdas de peso a longo prazo, enquanto outros experimentam uma recuperação substancial do peso. Desvendar os determinantes biológicos, psicossociais, educacionais e ambientais de tal variabilidade individual será uma área ativa da pesquisa da obesidade em um futuro próximo.

Na MMI Clinic, a abordagem para o emagrecimento e prevenção de doenças relacionadas a obesidade é de forma integral e multidisciplinar. Agende sua consulta conosco.

Escrito por Felipe Cezar Dias – CRM/PR 34055

Referências:

Rubio, M., Gargallo, M., Isabel Millán, A., & Moreno, B. (2007). Drugs in the treatment of obesity: Sibutramine, orlistat and rimonabant. Public Health Nutrition, 10(10A), 1200-1205.

Arterburn DE, Crane PK, Veenstra DL. The Efficacy and Safety of Sibutramine for Weight Loss: A Systematic Review. Arch Intern Med. 2004;164(9):994–1003.

Richelsen B, Tonstad S, Rössner S, Toubro S, Niskanen L, Madsbad S, Mustajoki P, Rissanen A. Effect of orlistat on weight regain and cardiovascular risk factors following a very-low-energy diet in abdominally obese patients: a 3-year randomized, placebo-controlled study. Diabetes Care. 2007 Jan;30(1):27-32.

Williams, D.M., Nawaz, A. & Evans, M. Drug Therapy in Obesity: A Review of Current and Emerging Treatments. Diabetes Ther 11, 1199–1216 (2020).

Astrup A, Carraro R, Finer N, Harper A, Kunesova M, Lean ME, Niskanen L, Rasmussen MF, Rissanen A, Rössner S, Savolainen MJ, Van Gaal L; NN8022-1807 Investigators. Safety, tolerability and sustained weight loss over 2 years with the once-daily human GLP-1 analog, liraglutide. Int J Obes (Lond). 2012 Jun;36(6):843-54.

Hall KD, Kahan S. Maintenance of Lost Weight and Long-Term Management of Obesity. Med Clin North Am. 2018;102(1):183-197. doi:10.1016/j.mcna.2017.08.012