MMI Clinic
Abrir Fechar

Medicamentos podem causar perda capilar por diversos mecanismos e, geralmente, atribuir a queda a uma droga é um diagnóstico que necessita de uma avaliação meticulosa de cada caso, sempre atento para uma relação temporal de pelo menos 3 meses até início de sintoma.

O diagnóstico de queda induzida por medicamentos é feito com demonstração cronológica compatível entre exposição ao medicamento e início da queda de cabelo, além da exclusão de outras causas de alopecia. Se houver suspeita, pode-se realizar teste com cessação do medicamento no mínimo 3 meses, e, dessa forma, observar se melhora ou continuidade do sintoma.

Psicotrópicos

Estabilizadores de humor com lítio e valproato de sódio e antidepressivos podem causar queda de cabelo como efeito adverso. O lítio apresenta 12% de alopecia e incidência ainda maior de afinamento capilar. Geralmente, ocorrendo 4-6 meses após o início. Além disso, pacientes que tomam lítio devem ser monitorados nas fuções tireoideanas que podem ser afetadas e alterar o cabelo. Fluoxetina, pode causar queda de cabelo até 1 ano após o início de uso e há relato de queda com uso de sertralina após vários anos.

Anticoagulantes

Vários tipos de heparinas podem induzir queda. Especialmente as chamadas de baixo peso molecular, como: Enoxaparina, dalteparina e tinzaparina. Podendo ocorrer um período de latência de poucas semanas até a queda.

Cardiovasculares

Os comumente utilizados betabloqueadores como metoprolol e propalonol foram descritos como capazes de induzir alopecia. Outros grupos de anti-hipertensivos como inibidores da ECA, hidroclorotiazida, captopril e amiodarona também podem causar queda.

Contraceptivos Orais

Observa-se uma queda geralmente após a interrupção dos anticoncepcionais, geralmente, por conta do efeito antiandrogênico de alguns deles. Alguns a base de progestágenos sintéticos, como levonorgestrel (DIU Mirena), norgestrel, noretisterona e tibolona, podem induzir ou agravar a alopecia androgenética. Em contrapartida, a progesterona bioidêntica, natural, é conhecida pelo seu potencial antiandrogênico.

Retinóides

Usados para psoríase, acne e outras doenças de pele, podem causar queda de cabelo e outros pelos pelo corpo. A perda é relacionada a dose e ocorre pois estes compostos são análogos da Vitamina A, conhecida por causar queda, mesmo na forma de suplementos.

Androgênios

O uso ilícito de esteroides anabolizantes a base de testosterona sintética, suplementos pró-androgênicos com DHEA e outros, como oxandrolona, derivada direta do DHT, são conhecidos pelo seu potencial de agravar situações de alopecia androgenética. Além disso, parecem ser gatilhos muito importantes para o desenvolvimento da condição, nem sempre revertida com a cessação do uso.

Referência: Distúrbios Capilares: Conceitos Atuais Em Fisiopatologia, Diagnóstico e Tratamento – Jerry Shapiro

Entre em contato conosco e saiba mais.

Dr. Felipe Cezar Dias CRM-PR 34055

Membro da Sociedade Brasileira do Cabelo e da International Dermoscopy Society.

MMI Clinic

Focamos no equilíbrio fisiológico, enxergando-o como um sistema único. Nesse caminho, contamos com uma equipe interdisciplinar capacitada em um só lugar.

Assine nossa
newsletter

Cadastre-se e receba informações exclusivas, dicas de saúde e muito mais.

    Últimos posts

    5 maiores sintomas do colesterol alto

    4 a cada 10 pessoas possuem colesterol alto no Brasil. Entenda os sintomas do colesterol alto, o que é, tipos, 5 maiores causas, como prevenir e muito mais.

    Emagrecimento Saudável 12 de abril de 2024

    Síndrome metabólica: o que é, causas e como prevenir

    Entenda tudo sobre a síndrome metabólica, uma das condições mais comuns na atualidade. Entenda o que é, suas causas, como diagnosticar e quando se preocupar.

    Emagrecimento Saudável 11 de abril de 2024

    Gordura localizada: principais causas e como tratar

    Você tem dúvidas de como eliminar os “pneuzinhos”? Entenda o que é a gordura localizada, as 5 maiores causas, em quais regiões se concentra e como eliminar.